Olhar fora do óbvio

Conheci o Castilho antes mesmo dele saber que iria mergulhar de cabeça no mundo audiovisual e do storytelling. O ano era 2002, uma festa rave em uma pedreira no interior de São Paulo. Missão, criar um mini documentário que traduzisse o sentimento vivido durante aquelas horas de celebração a cultura da música eletrônica. Desde essa época, o Castilho se apresenta como um amante da arte na produção de conteúdo. Já nos encontramos muito mais vezes pelos caminhos da profissão ao longo desses anos. Independente da mídia, o esforço, a dedicação e comprometimento serão os mesmos. Um olhar fora do óbvio com o cuidado aos detalhes que uma história merece, para ser contada.